A fidelidade enquanto suporte da felicidade da vida familiar

A fidelidade enquanto suporte da felicidade da vida familiar

  1. Na sequência dos textos anteriores, imaginemos que a felicidade em família exigisse que fossemos sempre 100% sinceros e que estivéssemos sempre 100% disponíveis para atender respeitosamente aos outros. Alguém pode garantir algo assim?
  2. Confundir a felicidade familiar com uma relação imaculada é como desejar comprar um carro que não precise nunca de ir à oficina. Nem aquela família nem este carro existem. O mais que o stand nos oferece são anos de garantia, isto é, facilidade na reparação dos danos causados pelo inevitável desgaste das trepidações diárias. E entendo que também a fidelidade não consiste em nunca falhar, mas na constante disponibilidade para reparar os naturais abalos de cada dia.
  3. Este é o combate da fidelidade, que, compensando as derrotas dos outros dois combates (da mútua autenticidade e disponibilidade), alcança a confiança de que a família precisa para ser feliz. Mas, em que consiste esse combate da fidelidade? E qual é o segredo dessa fidelidade? Ficam estas perguntas para o próximo texto.